Igreja Batista Getsemâni

As lições contemporâneas do Mixto Esporte Clube

"Um campeonato é composto por diversas batalhas, até o confronto final"

*JORGE MACIEL / OPINIÃO

Júnior Martins/ Assessoria Mixto

Júnior Martins/ Assessoria Mixto

Quando houve o “apagão” do Mixto na derrota contra o União, na semana passada, recebemos aqui no Futebolpress, pelas redes sociais e nos nossos e-mails, mais de duas dezenas de mensagens desancando jogadores, técnicos e diretoria. Embora torçamos para o futebol de Mato Grosso e não individualmente para um time, respondemos às mensagens ponderando que era “prematuro” xingar profissionais com base em uma derrota.   No futebol, assim como na vida, se vence, se perde, se empata.

 

Um campeonato é composto por diversas batalhas, até o confronto final. Ainda assim, se se perder, o razoável é valorizar e contabilizar cada vitória, cada passo dado – com perdas e danos, se for o caso. O importante é competir e não dar o vexame da covardia, o vexame da obtusidade, o vexame do não reconhecimento, o vexame de não se ter buscado a vitória. 

 

*Há 15 anos cobrindo o futebol de Mato Grosso, tínhamos visto um Alvinegro desgastado, abatido, apático em N competições as quais disputou. Presentemente, se vê um time que saiu vencedor de uma competição, a Copa FMF, na Copa do Brasil, numa segunda fase despachando o poderoso CSA, que tem uma folha salarial de R$ 8 milhões [comissão técnica, jogadores e funcionários] e investimentos de 25 milhões, e disputando o Mato-grossense de igual para igual – o que não havia sido há alguns anos.  

 

Na intersecção do empenho do time e o apoio da torcida, fica como resultado enorme falta de reconhecimento e apoio. Na intersecção entre o direito elementar e justo de bradar, cobrar, xingar fica a necessidade de incentivar, crer, apostar, amar o clube.   O técnico Toninho Pesso, por exemplo, com trabalho reconhecido lá fora e tido como um dos bons técnicos da nova geração, pode até não vencer o campeonato, o que não é tão importante no momento atual do Mixto - levando-se em cálculo que o Mixto tem um saldo de títulos que excede todos os outros títulos juntos dos seus adversários. São 24. 

 

Mas a diretoria e o técnico, vencendo ou perdendo, têm o direito à constatação que o time ressurgiu, como o aquele que acorda após tempos de hibernação ou sob efeitos conservantes do nitrogênio.    Seja o que vir pela frente, o Mixto já está no lucro como clube de futebol. Hoje, seguramente, há a certeza que o time está forte, que há foco, qualidade e trabalho sério assim como pela diretoria, assim como pela comissão técnica e atletas. Ainda falta muita coisa, principalmente reconhecimento.    

 

*Jornalista em Cuiabá, diretor do Futebolpress, tendo passado, como diretor, repórter e chefe de reportagem e estagiário em  jornais como O Popular (Goiânia-GO), A Tarde(Salvador-BA), Diário de Cuiabá, A Gazeta, Folha do Estado, Revista RDM, Revista do Carro (Brasília/Mato Grosso),  (em Cuiabá-MT), entre outros veículos.  É correspondente do FutebolInterior há 11 anos.


Fonte: Mixto Esporte Clube

Visite o website: http://www.mixtoec.com.br