Igreja Batista Getsemâni

Técnico do Mixto pede efeito suspensivo contra expulsão na 1ª fase da Copa do Brasil

Pêsso foi expulso do banco de reservas por ter reclamado do acréscimo dado pela arbitragem.

A GAZETA

Assessoria

Assessoria

O técnico do Mixto, Toninho Pêsso, já solicitou junto à diretoria alvinegra a entrada de recurso judicial contra a sua expulsão no fim do jogo diante do CSA de Alagoas pela Copa do Brasil. Quase no fim do duelo, vencido pelo Alvinegro da Vargas por 1 a 0, Pêsso foi expulso do banco de reservas por ter reclamado do acréscimo dado pela arbitragem.

 

Após os 45 minutos finais, o árbitro deu seis minutos a mais, o que levou o treinador mixtense ‘à loucura’. “Não é possível, o árbitro dá seis minutos de acréscimos. Não houve situação para todo esse tempo. Além disso, deu uma falta na entrada da área aos 50 minutos do segundo tempo. Reclamei, protestei mesmo. Mas não era motivo para expulsão”, disse o técnico, apontado por muitos como um dos responsáveis direto pelo bom momento do Alvinegro seja no Estadual como na competição nacional.

 

Classificado à segunda fase da Copa do Brasil, o Mixto pode ficar sem Toninho Pêsso no banco de reservas na partida contra o vencedor de São José do Rio Grande do Sul e a Chapecoense (SC). Este duelo está marcado para a próxima quarta-feira. dia 13.

 

Preocupado em ficar de fora do confronto caso seja julgado e punido, Toninho Pêsso já pediu para que o jurídico do clube protocole uma efeito suspensivo, visando já a segunda etapa da Copa do Brasil. Para o treinador, o momento requer vivenciar cada segundo do time na competição nacional. “Não quero ficar de fora do filé mignon. Trabalho árduo diariamente. Não quero ficar de fora da segunda fase. Vamos entrar com efeito suspensivo”, disse Pêsso.


Fonte: Mixto Esporte Clube

Visite o website: http://www.mixtoec.com.br